Uma das maiores autoridades em consultoria no mercado de fitness, Luís Amoroso, nos contou como evitar e corrigir os erros mais comuns na gestão financeira de uma academia para aumentar a sua margem de lucro.  

Introdução

Não é segredo para ninguém que a maioria das pessoas, quando começou a botar no papel o sonho de abrir uma academia, não tinha como principal habilidade a capacidade de fazer uma gestão financeira. Sabemos também que os erros na gestão financeira de uma academia podem atrapalhar toda e qualquer análise que se possa fazer a respeito dos resultados que ela traz.

Pensando nisso, chamamos para participar do nosso projeto EVO amp um dos maiores especialistas em gestão financeira no Mercado de Fitness: Luís Amoroso. Em uma conversa muito rica em dicas e até mesmo detalhes mais avançados da rotina financeira de uma academia, descobrimos que existem erros de gestão que são muito comuns, mas aprendemos também como evitá-los.

E o Luís Amoroso começou citando o erro mais básico – e também, o recordista! Veja abaixo de qual erro estamos falando.

 

1º Erro: Misturar suas contas pessoais com as finanças da academia

Esse erro, além de muito comum, é o melhor exemplo daquilo que a gente comete sem saber. Porque é muito natural essa coisa de “misturar o dinheiro”. Porém, se você faz isso, é preciso que você parece imediatamente, pois além de tudo, pode estar atrapalhando a análise dos resultados do seu negócio!  

Conforme o próprio Amoroso fez questão de deixar claro, nós sabemos que muito provavelmente, você paga as suas contas com o dinheiro que você ganha na academia, por isso, é muito bom esclarecer do que exatamente estamos falando.

Na verdade, estamos falando mais de você do que do seu negócio!

O Luis Amoroso relatou também que é bastante comum nos depararmos com academias que são rentáveis e financeiramente viáveis, mas o gestor leva um estilo de vida que está acima das possibilidades que o negócio pode proporcionar.

Ou seja, você tem um bom negócio, porém, a sua expectativa em termos de padrão de vida está equivocada.

Dica do Luís Amoroso: faça o caminho inverso. Analise o resultado financeiro que sua academia dá, para então, estabelecer o seu padrão de vida e saber como, quanto e onde você pode gastar!

2º Erro: Não fazer a gestão financeira da academia

Esse erro também precisa ser melhor explicado, pois aqui nós não estamos falando de gestores que não sabem fazer o controle financeiro de uma academia, uma situação que é bastante comum num mercado onde alguns apaixonados se lançaram na aventura de empreender sem muito conhecimento.

Além desse cenário estar cada dia mais modificado, seja pela capacitação dos gestores ou pela contratação de consultores, o erro aqui é mais banal e até por isso, mais grave: estamos falando de gestores que simplesmente não fazem a gestão financeira da academia!

Não fazem!

Alguns, por medo. É verdade, alguns tem medo de descobrir a realidade…  

Não precisamos chover no molhado e repetir a velha máxima de que não se gerencia aquilo que não se mede, apenas queremos dizer que sabemos que esse tipo de coisa ocorre e se você quer parar de cometer esse erro, é muito fácil: enfrente seus medos, encare os números e comece a fazer o controle financeiro de sua academia!

Dica : Use um sistema de gestão. Muitos softwares especializados em gestão de academia estão cada dia mais focados no aspecto financeiro, e de forma simples, intuitiva.

3º Erro: Definir o preço olhando pela janela

Esse erro passa pela falta de conhecimento técnico do gestor na hora de precificar os seus serviços, mas também tem a ver com a velha mania de olhar mais para a concorrência do que para o seu próprio negócio!

A sua academia não é igual à do seu vizinho, por isso, por que você se importa em saber quanto ele cobra?

Estabelecer o preço dos serviços de sua academia tem a ver com a percepção de valor que seu cliente tem do serviço que lhe é entregue. Todos nós sabemos que existem as “low costs” e na outra ponta, existem as “academias boutiques”. E que em alguns casos, o preço cobrado pela mensalidade em uma academia é o valor de um treino cobrado em outra!

Quem vai determinar isso é o seu cliente, através da percepção de valor daquilo que lhe é entregue.

E para simplificar, existe uma conta muito simples para você definir o seu preço, que pode lhe ajudar: quais são os seus custos e quantas pessoas cabem na sua academia. Aí, você chega no preço mínimo a ser cobrado de mensalidade em sua academia.

Dica: clique aqui para baixar o e-book que produzimos sobre precificação, para que você entenda um pouco mais na hora de estabelecer o seu preço.

4º Erro: Usar modelos ultrapassados de cobrança

Dentre as milhares de coisas que se modificaram no mercado de academias, podemos dizer, com bastante segurança, que uma das coisas que sofreu um processo radical de mudança foi a maneira de cobrar os clientes.

Até bem pouco tempo atrás, o mais comum era realizar a cobrança através de cheques. Planos longos, com aparente vantagem na mensalidade, mediante a entrega de vários cheques.

Esse modelo, que perdurou por muitos anos, apresentava dois equívocos que nem todo mundo se dava conta:

  1. A tentação de antecipar esse recebível, o popular “trocar uns chequinhos”, que já corroía uma fatia significativa da margem de lucro da academia.
  2. A falsa impressão de que esses planos longos fidelizavam o aluno na academia, pela simples razão de que o plano dele durava até o fim.

Sobre esses dois subprodutos do erro principal, o que merece mais atenção é o segundo, pois o fato do cliente não querer se indispor com a academia para cancelar o plano e reaver seus cheques, não significa que ele estivesse “fidelizado”.  

Tanto é que as taxas de renovação de planos eram baixas, o que reflete, na realidade, a verdade sobre fidelização.

Hoje em dia, até pela natural dificuldade dos bancos em fornecer talões de cheque, bem como pela maior facilidade em se trabalhar com cartão de crédito, o modelo de cobrança mudou.

E chegamos num modelo que recomendamos, que é a cobrança através de débito recorrente no cartão de crédito. Recomendamos esse modelo por diversas razões, mas para você saber mais e poder comparar se ele é adequado para o seu negócio, CLIQUE AQUI e leia o nosso artigo completo sobre esse tema e tire suas dúvidas.

O que podemos dizer é que ao optar por esse modelos de cobrança, você estará buscando conquistar um outro perfil de cliente e aí sim, terá um real panorama sobre a fidelização em sua academia.

Dica: busque se informar sobre o modelo de débito recorrente no cartão de crédito e para saber como o EVO pode auxiliar a gestão de sua academia com esse assunto em particular, CLIQUE AQUI para conversar com um de nossos especialistas.

Conclusão

Esperamos que você tenha adquirido um outro estágio de consciência sobre a gestão financeira de sua academia depois de conhecer a visão de um verdadeiro especialista com mais de 25 anos de experiência em gestão financeira no Mercado de Fitness.

E é claro, se você comete algum desses 4 erros, busque solução para eles.

Sabemos que não é fácil, e que não vai ser da noite para o dia. Exige disciplina e um novo olhar para o seu negócio. Mas temos inteira segurança em afirmar que sua academia irá atingir resultados melhores e mais próximos da realidade.

Recomendamos que você assista (mais de uma vez) a íntegra da entrevista do Luís Amoroso, ela está disponível no vídeo abaixo. É só clicar e enviar o seu e-mail para desbloquear o conteúdo.

Recomendamos para você:  Por que sua academia corre risco se você usa o débito recorrente no cartão de crédito direto com o adquirente?